Make your own free website on Tripod.com

O Primeiro Passo para a Aprendizagem da Língua e Cultura Portuguesas na Universidade de Montreal

Por
Luís Aguilar


A Secção de Estudos Portugueses da Universidade de Montreal, na sequência do que tem vindo a realizar todos os anos, empenha-se, também este ano, na divulgação da Língua e Cultura Portuguesas, junto de alunos do Ensino Secundário de várias escolas de Montreal e potenciais futuros estudantes universitários, proporcionando-lhes, um conjunto de sessões que visam sensibilizar para a aprendizagem da língua portuguesa e as culturas que se expressam na língua de Camões.

As sessões, de duas horas cada, realizam-se neste mês de Julho, com duas vezes mais estudantes do que em anos anteriores e contam com a orientação do docente do Instituto Camões e professor convidado da Universidade de Montreal, coadjuvado por Vitália Rodrigues, assistente e Daphné Santos-Vieira, finalista do Mineur en langue portugaise et cultures lusophones. Alice Mascarenhas, professora de Língua Portuguesa e Literatura Brasileira, acompanhou os trabalhos da última sessão.

A realização de iniciativas deste género em colaboração com o projecto SEUR (Sensibilisation aux études universitaires et à la recherche) tem proporcionado bons resultados, nomeadamente no que diz respeito ao aumento do número de estudantes na universidade de Montreal, em geral e nos Estudos de Língua Portuguesa e Culturas Lusófonas, em particular.

Luís Aguilar serve-se do mapa da Lusofonia inscrito na sua T-Shirt para explicar como a língua portuguesa vagabundeia pelo mundo, tendo sido língua franca e hoje a terceira língua internacional mais falada do mundo.

O primeiro contacto com palavras portuguesas. Aos estudantes é proposto que criem um cartaz pelo méodo da fotolinguagem, utilizando palavras portuguesas recolhidas de jornais ou revistas. Os animadores desdobram-se pelos vários grupos de estudantes esclarecendo-os sobre o significado dos vocábulos.


As várias sessões, dirigidas a uma clientela que não sabe uma palavra de Português e muito poucas referências tem sobre Portugal ou qualquer outro país lusófono, são desenvolvidas por uma metodologia activa, de Comunic-Acção que tem no jogo de papéis, no Jornal Vivo, nas várias técnicas de expressão dramática e nas actividades sugestopédicas os seus principais recursos didácticos, susceptíveis de facilitarem a aquisição lexical mínima (em regra trinta palavras por sessão), algumas expressões-chave da comunicação na língua de Pessoa, o manuseamento de palavras e procura de sentido e a apropriação de alguns dos seus sons mais específicos.

A segunda parte de cada sessão enfatiza o vector informativo, de carácter mais expositivo, sem que por isso, se secundarize a comunicação com a audiência e a promoção de actividades interactivas. Fazendo recurso a um diaporama sobre elementos essenciais da Língua, História, Geografia, Literatura, Arte, etc. de Portugal, pretende-se transmitir informação pertinente, partilhar essa mesma informação com os adolescentes e responder às suas perguntas.

No fim das várias sessões os participantes, apesar de dias bastantes preenchidos com as mais diversas actividades ( química, medicina, literaturas, etc.), saem, geralmente, satisfeitos e bombardeiam os animadores com perguntas que levariam pelo menos um trimestre de aulas para responder. Por seu turno, os animadores constatam o que funciona e o que funciona menos dos métodos não-convencionais de ensino que utilizam, constituindo, por isso, estas sessões, um laboratório experimental para o ensino e aprendizagem da língua portuguesa e culturas lusófonas, apoiado por uma pesquisa-acção que não cessa de desenvolver-se.

Muitos participantes questionam-nos, para além das saídas profissionais que os cursos proporcionam, sobre o conteúdo do programa e as possibilidades de intercâmbio com universidades portuguesas e, aqui a porca ainda torce o rabo. Outros querem saber quais os desafios que se colocam à Presidência da Comunidade Europeia de que Portugal assume a coordenação neste momento. Quando saem levam Portugal no seu futuro enquanto o futuro de Portugal também passa por aqui.


A partir de vários jornais comunitários, A Voz de Portugal e LusoPresse e de outros nacionais, Jornal de Letras, por exemplo, sugere-se que os participantes criem um cartaz sobre um tema ou acontecimento da língua e ou cultura portuguesa. Antes, os potenciais aprendentes de Português haviam feito tentativas de leitura de várias notícias, tendo verificado a curta distância entre o que se escreve e o que se diz, descobrindo o carácter eufónico da Língua Portuguesa por contraste com as características mais etimológicas da Língua Francesa.